segunda-feira, 31 de outubro de 2011

NOITE CIGANA 2011

Sastipê,

Hoje nos entregaram o vídeo oficial do SARA KALÍ GROUP, referente a NOITE CIGANA 2011.

Nais Tukê pela torcida e pelo carinho de todos, gestena pelos dedinhos torcidos em figa de todas vocês...CONSEGUIMOS. Ando Sara.


No grupo, existem descendentes de ciganos de três diferentes vertentes, que só agora estão tendo a coragem de aparecer, mulheres que nunca souberam de suas origens e agora descobrem o que as guerras, as perseguições e o preconceito fizeram em suas vidas. Essa foi a festa de encerramento do projeto Kalinka, Ciganos na minha escola. Uma história Invisível.

As mulheres que constroem pontes - as ciganas que descobriram  a importância de partilhar experiências e trabalhar dentro da dança, dentro de casa, dentro do coração de outras pessoas. Descobriram que os esteriótipos nos afastam de nós mesmas.

Passeando pela Espanha, pela Romênia, pelas tradições das tribos Celtas, dentre outros ritmos, todas, alunas e professoras dividem a magia da dança, com suas superações físicas e emocionais.
Essa é a grande magia.

Depois tem mais, junto com as receitas do Noite Cigana.
bjs grandes de todas nós.
Cozinha dos Vurdóns

RECIPÉ ROMANI - ABOBRINHAS E OUTONO.


 ziginer - ciganos

Nacons são recheios de legumes, refogados, prontos para ir dentro de pão ou como fazemos hoje, levá-lo para a mesa como acompanhamento.
Os melhores que já comemos são uma especialidade da Mariahy. Hoje nos lembramos dela.


Pra matar a saudade  e reinventar algumas receitas, escolhemos uma de suas preferidas - as abobrinhas, difícil não ter nada com abobrinha quando ela estava por perto, alías os legumes sempre foram pratos de eleição nos acampamentos.


NACONS DE ABOBRINHA ANÃ

4 abobrinhas pequenas cortadas em cubos com casca e tudo,
1 cebola grande picadinha,
1 punhado de manjericão fresco e mel,
sal,
1 cenoura pequena em tiras finas e curtas,
1 punhado de uva passa,
4 tomates cortados em quadradinhos,
azeite e um ramo de alecrim inteiro.

Deite o azeite no fogo com alho, cebola, as uvas passas, a cenoura e um pouco de sal.
Refogue bem e coloque a abobrinha e o tomate, ponha uma cova de água, (cabe na sua mão) e mexa, em seguida tampe, por 5 minutos.
Acrescente o mel e mais uma cova de água e mexa com o ramo de alecrim até tudo estar com uma camada parecida a caldo grosso. Coloque o manjericão, misture e está pronto o seu sanduiche.
Os prediletos na verdade, eram bem simples; filés de abobrinha na chapa - perfeitos. Azeite, sal e uns pedacinhos de bacon grudados.Depois iam pras chapas. Ficam maravilhosos com beringelas também.

 

Refogadas com cebola, pimentões vermelhos, berinjelas e azeitonas pretas - azeite, sal e orêgano, pra que mais.


Para as Purys - ciganas mais velhas/tias, o que não podia faltar na mesa eram legumes frescos, e se não tivesse mais nada pra servir, sabíamos que sairia uma comida e tanto e em pouco tempo. Essas são pessoas que foram muito importantes em nossas vidas e que sempre vão deixar saudade.
Existem dias de se comer simples, dizem que sobra mais tempo para admirar as azaléias, afinal é outono.

Cozinha dos Vurdóns

sexta-feira, 28 de outubro de 2011


25 .10 .2011
Chamada para as Nações Unidas
a reconhecer a bandeira cigana. 
O Conselho Gypsy tem escrito ao Secretário-Geral 
das Nações Unidas, Ban Ki-Moon e o 
Alto Comissariado para os Direitos Humanos, 
Navanethem Pillay, para pedir que a bandeira
Roma seja reconhecida oficialmente pela
Organização das Nações Unidas
 
Embora não seja o rrom ter seu próprio Estado, 
têm suas próprias cultura, língua e bandeira. 
Durante a Segunda Guerra Mundial, matando mais
de 500 mil ciganos,tais como múltiplas vítimas de genocídio, 
para o qual as Nações Unidas deveriam fazer este 
simples ato de reconhecimento e respeito, 
significaria uma pequena ajuda e status concessão 
de comunidades ciganas em todo o mundo.
A coisa sobre esse reconhecimento veio à luz por 
causa dos recentes acontecimentos no Reino Unido, 
quando a cidade de Aberystwyth, País de Gales, 
recentemente votado a favor da bandeira cigana deve voar 
entre as outras bandeiras do outras nações.  
Como se sabe, a nossa bandeira está sendo rejeitada
porque os ciganos não têm nação.
O rrom que são a maior minoria da Europa, 
apenas porque não temos nosso próprio país,
não significa que a nossa existência deve ser reconhecida.

  A bandeira foi adotada Roma em 1971 
no Primeiro Mundo 
Roma Congress foi realizada em Londres, 
e organizado pelo Conselho Gitano 
(Conselho Gypsy),juntamente com 
outras organizações Roma.

 
(Joseph G. Jones, Presidente do Conselho Gypsy - Gypsy Conselho)

"Reconhecer a bandeira dos rroms é dar visibilidade a toda uma etnia, 
é reconhecer que existe um povo com carencias e com 
conribuições culturais, sociais e humanas."
O apelo veio do TCHURI ROMAI...opré rromalê. Sastipê Cezarina.

Cozinha dos Vurdóns
"O céu é meu teto,
a terra minha pátria,
liberdade minha religião."

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

PEQUENOS TRUQUES NA COZINHA

Sabe quando falta alguma coisa na mesa e a comida poderia ficar melhor, mais alegre, diferente e sair da rotina?
Pois é, não precisa de muito, basta duas coisas - saber comprar e abrir a geladeira e olhar direito.

Compre um azeite diferente para as saladas ou faça o seu, esse foi feito com um ramo de alecrim e algumas pimentas rosa - inteiras para não arder, apenas o sabor. Esse tipo de azeite muda a vida da gente, refresca o humor e contribui para aliviar as tensões, sabia?
Feche bem e guarde até 30 dias na geladeira.


Simples e divina, tomate, queijo (de búfalo), orégano e manjerico. Pronto. Não fica linda?





Caso queira, leve rapidamente ao forno, apenas para desprender o cheiro do azeite e enfeite com nanjericão fresco na hora de servir. O queijo nem derrete, apenas amorna.



Tomate assado com sal, gergelim negro, azeite e alecrim - forno quente por 5' no máximo.


Separe duas colheres de uva passa, 10 azeitonas picadas, 2 tomates picados e uma flores de brócoles - coloque numa frigideira larga com azeite e tempere tudo, quando o aroma exalar, despeje 2 xícaras de arroz pronto e espere esquentar. 

Despeje em uma travessa e acrescente nanjericão fresco temperado. É outro arroz e bem rapidinho.

Experimente comprar costelas inteiras, esprema o suco de dois limões, 1 cebola em rodela, sal, 4 dentes de alho e 1 colher de azeite. Tampe e deixe na geladeira durante a noite toda. No dia seguinte, corte os pedaços que vai usar e embale o restante para congelar. Quando for fazer, pode usar a panela, não coloque nenhum óleo, ponha 3 colheres de água na panela e vá deixando a carne cozinhar e dourar, ela vai secar e aí coloque mais um pouquinho de água, repita mais 1 vez e por último acrescente 2 colheres de mel dissolvidas em 5 colheres de água. Coloque sobre a carne e mexa bem as costelas até absorverem o líquido. Pronto. Um belo vinho e uma bela salada para não ter peso na consciência.

Não deixe faltar:
limão,
tomates,
temperos frescos,
cogumelos,
azeitonas,
alcaparras,
algum tipo de pão,
algum azeite,
alguma massa,
seleta de legumes fresca.

Com esses pequenos ingredientes, qualquer comida vira um banquete.

Cozinha dos Vurdóns

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

DESPEDIDA

"Quando danço, me transporto para o acampamento dos meus antepassados, e é tão real que não me lembro que sou Marlene, sou apenas uma cigana."Marlene Brandão.

E assim Marlene viveu até o último minuto, ensinando os movimentos de mãos e a quebradinha do ombro, dentro da U.T.I. Levou a música cigana consigo e com toda propriedade falou sobre ela aos médicos e enfermeiras.

No dia 22 de outubro, Marlene se despediu de nós e fez a sua passagem. Seu pedido era que em seu velório tivesse música e que estivesse vestida com sua roupa cigana, e assim foi.
A saia de sete metros amarela e seu diclô na cabeça, o mais belo de todos.


"Cigano não morre, vira estrela, para que outros ciganos olhando para o céu, tenham a certeza de que nunca estão sozinhos." dito rhom.

Cozinha dos Vurdóns 
Que haja paz e conforto, entendimento e saudade.
Nós ganhamos mais uma estrela.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

SALADAS CIGANAS

SARMIANCAS

AS SALADAS CIGANAS

De tempos em tempos temos que observar o nosso corpo, o clima, o sentimento e o momento em que nos encontramos. O verão se foi, o frio ensaia e os tempos estão conturbados.

Precisamos de fôlego, aguzar o paladar para que o cérebro fique atento. Precisamos passar pela nostalgia e começar a encarrar a mudança do ano, afinal de contas, tudo na natureza se modifica, apenas a raça humana cria dificuldades para essa transformação.

Em muitas culturas ciganas isso é observado, é ora de equilibrar os sentimentos. Sal e doce, quente e refrescante.

 Sarmianca de queijo, cítricos  e nozes

(as nozes são para o cérebro, o queijo para o paladar, o limão aguça nossos sentidos, a maça acalma o corpo, as alfaces ajudam no sono e na tranquilidade)

folhas de alface, firmes e suculentas,

nozes descascadas e partidas ao meio,

queijo e gotas de limão,

azeite e sal,

tiras de maça banhadas no limão.

 

Grupo Sara Kalí

O outono para muitos ciganos é um tempo difícil e talvez seja para todos nós, é tempo de observar e guardar provissões, repensar conceitos e fazer um certo esvaziamento das questões que não podemos levar para o próximo ano.

As estradas do outono são as mais belas ou as mais doloridas e isso não depende de deles, depende de nós.

Sarmianca oriental de Nozes, frutas e Queijo

(o molho inglês indiano, tem um pouquinho de pimenta que cai como uma luva nessa combinação com o limão e o melão, o hortelã refresca a alma e nos faz respirar melhor, assim como o manjericão nos aconchega e nos dá vida)



*100 gramas de queijo Chévre ou qualquer outro que o substitua,
*1 colher de sopa de molho inglês, *1colher de azeite e o suco de ½ limão.

*Cubinhos finos de melão (1/2 fatia) e 250 gramas de nozes,
*sal a gosto,

*Folhas de hortelã fresca e folhas de manjericão também frescas.



 Cortar o queijo em cubos e o melão em também, coloque numa travessa e regue com o molho inglês, o limão e o azeite. Acrescente as nozes cortadas ao meio, salpicadas com um pouquinho de sal e sirva. Um ótimo acrescimo são as cebolas tostadas.

Chévre - Palavra francesa que significa cabra, o chévre é um queijo branco de puro leite com um delicioso sabor ácido. Alguns dos melhores chévres: Banon, Bucheron e Montrachet. Chévre pode variar de cremoso a firme e vem em várias formas, às vezes com adição de ervas e pimenta.

Cozinha dos Vurdóns
um feliz começo para todos.

domingo, 23 de outubro de 2011

POEMAS NA COZINHA - MULHER CIGAMA

KONSTANTIN MAKOVSKY - 1878 - MULHER CIGANA
As Mulheres que abrem caminho,
Entre a música e a poesia,
Sob a arte em forma de jóias,
O lamento e a escrita.
São construtoras de sonhos,
São dançarinas magistrais,
Da arte de encantar, sonhar, construir e flutuar.
Sempre as mulheres,  expressão máxima de um povo.
Se a história é poesia
Fizeram do canto sua voz.
O violino fez-se estrada,
E de nós, todas mulheres.

A vida conta história em realidades, fatos e séculos,
Em poemas todos somos vida, morte e lamento.
Enfeitamos as tragédias, damos desculpas à fatalidade,
Seguimos, porque caminhar é preciso.
Refazendo os sonhos, sonhando novos contornos, administrando intempéries.
E assim, rezamos, plantamos e colhemos,
Antes delas muitas, depois delas nós.

Cozinha dos Vurdóns


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

RROMAFOBIA - UMA REALIDADE NA HUNGRIA DE HOJE

Não há o que dizer, é um misto de mágoa, tristeza, revolta e a certeza de na queda de um ditador, sempre haverá outro para ocupar o seu lugar. Porque é tão difícil aprender com os erros do passado e tão fácil de esquecê-lo?

Ainda temos muito que caminhar.
História é cultura. Acabe com a cultura de um povo e terá acabado com toda uma etnia.


http://fr.myeurop.info/2011/09/26/le-travail-obligatoire-pour-les-roms-hongrois-est-devenu-realite-3418

http://baxtalo.wordpress.com/

Um poeta e biolólogo acertou em cheio - O MEDO, o grande fantasma, que cobre do norte ao sul, do oriente ao cidente, que não escapa a ninguém. Esse poeta é Mia Couto, uma preciosidade de Moçambique para o mundo.


E o mundo dito civilizado? Verá acontecer de novo? Como em França, Itália, Alemanha ???

Ainda não acabou ... caminhar é preciso.
Cozinha dos Vurdóns

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

PASTEL, PASTEL, PASTEL




Tem coisa melhor que um pastelzinho com café, guaraná, suco, cerveja e de queijo, legumes, camarão, maça com canela e goiabada??? Se você pensa como nós, e que um pastel realmente é tudo de bom, então, manda vê uma receitinha aí e bom apetite.

A MASSA:

Misture dois copos (tipo americano) de farinha com uma Colher (sobremesa de sal). Misture e vá acrescentando 1 colher (sopa) de pinga ou aguardente, duas colheres de óleo ou azeite, 1 colher (sopa) de vinagre branco. Misture bem e acrescente a água - ¾ de copo (de água morna). Amasse e veja que a massa deve ficar integral e não pastosa demais. Coloque numa vasilha e cubra com filme plástico. Leve a geladeira de um dia para o outro. Pronto, agora é hora de temperar se quiser tirinhas crocantes, cestinha incrementadas e pra variar ... pastéis, do tipo pastel de feira, doce ou salgado. Estique e abra a massa, recheie e vamos a eles, que venham os pasteis.

Recheio de calabreza: refogue 1 calabreza picada com cebola, azeite e alho, acrecente 2 tomates picados, um pouco de escarola, um pouco de manjericão fresco e deixe no ponto. Espere esfriar e feche os pasteis. Frite em óleo quente.

  Especial de camarão
recheio: 250 grs de camarão para molho (miúdo) e alguns camarões médios inteiros, azeite, 1 dente de alho amassado, 1 limão inteiro (suco) e sal. Refogue e deixe cozinhar na própria água,para isso faça numa frigideira larga. Espere esfrira para rechear. Faça quadradinho de massa com o recheio já frio. Frite. Para servir coloque uma colher de queijo creme, um camarão médio e gergelim negro. Além de lindo é maravilhoso.

Pastel Pirulito/Italiano


Corte a massa redonda - vai usar dois discos. Rechei e introduza o palito, feche e coloeu sobre papel manteiga numa assadeira. Leve pra assar, mais ou menos 50'. Lembre-se de virá-lo 1 vez. 
Recheio: Queijo branco - 1 fatia para cada pastel, orégano, gotas de azeite e pequenos pedaços de tomate temperados com sal.

Pastel bem casado


Seguindo a idéia dos discos, frite-os em separado, deixe escorrer, recheie com goiabada e salpique queijo fino curado e ralado com açucar.

Cestinhas de festa


Coloque os discos de massa nas formas de empada e leve ao forno por 45' mais ou menos - forno médio. Se quiser pode fazer contornos nas bordas. 
Recheio de purê de batata com queijo: amasse 3 batatas cozidas em água e sal e coloque numa panela com 1 copo de requijão cremoso, sal, alho e misture atá engrossar. Não se esqueça de colocar umas gotinhas de azeite. Salpique cebolinhas frescas.
Recheio de frango: desfie dois peitos de frando cozidos e acrescente 1 cebola ralada, e colheres de alcaparras, 5 azeitonas pretas e salsa seca. Quanto estiver tudo bem misturado, coloque uva passa e 3 colheres de sopa de nata fresca. Recheie e sirva. Não se esqueça de ver o sal.

e é claro...bom apetite.
Cozinha dos Vurdóns

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

SEGREDOS DOS VURDÓNS


blog flôrdeliz

O CÉU É MEU TETO,
A TERRA MINHA PÁTRIA,
LIBERDADE MINHA RELIGIÃO.
(dito rom/rhom/rrom)

Eis que surgem nas estradas eles, os Vurdóns, Gypsy Wagon, os Carroções. Casas e meio de transporte de muitos ciganos por esse mundo a fora. 

Hoje e apesar de todas as modificações que muitos sofreram, algumas coisa ainda se transporta num vurdon e o carinho e zelo pelos cavalos ainda são preservados em muitos países.

gypsy vanner - wagon

As cestarias eram transportadas assim, para o uso e para a venda, uma arte que aos poucos vai se tornando mais rara de se ver.

wagon Burton - fotos BBC
Famílias inteiras cruzando o mundo, em busca de oportunidade e paz. Usar o tempo para conversar, criar os filhos e caminhar em busca de água, repouso e comida.

The Gypsy Wagon
Giovanni Signorini -1831 - nach1858

A depender da vitza(vida) da família, algumas coisas não podiam faltar. As ervas eram primordiais, frescas ou secas. O funcho, o alecrim, o alcanfôr, o jasmim, a alfazema, a guiné, as folhas de rosa branca e os capim gordura e cidreira, eram algumas delas.

Canela e cravo, banha de porco e maça seca podeiam ser encontrados nos acampamentos dos ciganos de maior pose. O sal e a farinha, o mel e alguns grãos, eram armazenados sempre que possível para o período do frio.

Hendrik Jan Wolter - The Gypsy Wagon - 1873 á 1952 - aqui

A lenha para o preparo da comida e muitas vezes ela própria, tinham que ser encontradas no dia, afim de matar a fome. Comidas a base de legumes e verduras sempre foram bem vindas nas refeições de uma comunidade cigana. Pratos únicos, a base de legumes e sem carne eram os que mais se usavam.
O pão (manrô) nunca deixou de ser assado, sempre que possível, num "forno"especial, por assim dizer, quando se tinha mais tempo para o pouso e em tachos grandes quando não haviam paragens seguras e nem bem vindas.

My first book Yenni - A Life Between Worlds deals with those years of my life.
 
A magia dos Roma, reside no respeito a liberdade, na relação com a natureza e na ligação com a família. Em não acumular bens e a saber que nesta vida estamos de passagem. Cada Vitza uma história, cada história uma realidade.
Nem reis e nem rainhas, pessoas que são fiéis na criação de seus filhos e que lutam por um mundo melhor.
Todo aquele que se difere dos outros é mantido afastado e sob opressão. Muito se expeculou sobre essa nação romá e seus segredos estão a céu aberto. A guerra, a fome e a violência sempre foram impostas, nunca procuradas. A natureza humana se encarrega de separar os bons e os maus frutos e assim é também com essa etnia. A alegria desse povo remove montanhas, a fé constrói pontes, o amor vence barreiras.
A falta, as privações, o medo, a opressão, a fome e as guerras fizeram dos roma um povo ainda mais forte. Esse é o nosso segredo, a capacidade de resistir, que só o amor verdadeiro pode alcançar, e nisso estamos todos juntos, tanto para os ciganos como para os não ciganos.

Opré rhomalé

Cozinha dos Vurdóns


segunda-feira, 17 de outubro de 2011

NAS ROTAS DA CARAVANA

UM LEITE MARAVILHOSO
             UM PAÍS MARAVILHOSO
                         UMA HISTÓRIA REAL
                                       ONDE VALE A PENA SONHAR


 Castanhas, seja como for, elas conseguem mudar o rumo das coisas. Badam Dood - leite de amêndoas.
Desembarcamos na Índia, seguindo os passos do blog da Cezarina - Nas Rotas Da Caravana, vamos conhecer pinturas Indianas, verdadeiras relíquias, que o ocidente tão pouco aprecia. 




1 colher de sopa de manteiga
4 colheres de chá de amêndoa - use farinha
4 xícaras de leite integral
4 colheres de chá de açúcar

Coloque a manteiga para derreter e em seguida despeje a farinha. Vai formar uma massa marrom, coloque então o leite e o açucar, levando ao fogo para desmanchar. Pode ser tomada quente ou fria. 

A ORIGEM INDIANA DOS RHONS OU "CIGANOS"aqui




Portrait of Princess Bharani Thirunal Rani Parvathi Bayi.


Essa é outra receita de Badam dood


Coloque 1/2 k de amêndoas de molho em água - pela manhã descasque e bata no pilão ou no liquidificador com um copo de leite. Essa massa vai agora ao fogo com mais 2 xícaras de leite e e colheresde sopa de açucar. Deve cozinhar devagar até reduzir e engrossar. Então coloque fios de açafrão (2 fios apenas) e volte a cozinhar por 5 minutos.
Essa bebida é famosa por melhorar sensivelmente a memória.


Portrait of a North Indian Lady
Evamos andando, as conversas são muitas, mas sempre me lembro de Dinah - a filha de Jacó que o mundo esqueceu.
Rajastão, India, Persia, o deserto, a montanha...rhom.
O que importa é caminhar, porque andar é preciso.
 
Crianças ciganas do Rajastão.
 

 
Cozinha dos Vurdóns

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves